quinta-feira, 27 de maio de 2010

Mulher blogueira, marido escritor


Essas coisas acontecem quando a gente pensa que já viu de tudo nessa vida.

Um belo dia você acorda e resolve fazer algo diferente, assim como quem vive com você. Eu resolvi fazer um blog. Meu marido, muito mais chique (um lorde inglês segundo alguns), resolve escrever um livro. Um livro de cartas, em que ele simplesmente deixa fluir e escreve rapidamente, segundo o próprio.

Para minha felicidade ele resolveu compartilhar comigo, e eu resolvi compartilhar com todos (péssimo para a timidez dele), pois achei tão lindo, tão bem escrito, que quis logo que todos vissem o quão talentoso é o meu marido. Honey, I`m so proud of you.....



"Nunca fui dado a acessos de sentimentalismo e muito menos a expressá-los de alguma forma. Quiçá, deixa-los registrados. Mas nessa metamorfose constante a que a vida nos submete, hoje me vejo aqui, com essa necessidade imensa de deixar fluir minhas emoções.
É que de uma certa forma nào sei ao certo o que sinto. Ou melhor, quando sinto o que. De uns tempos pra cá é de uma velocidade gigantesca a alternância de sentimentos dentro de mim. Sempre foi uma limitação minha entendê-los e principalmente dar-lhes nomes. Mas ao mesmo tempo, nunca senti tanto a importância desses nomes. Porque sentir apenas já não é mais suficiente. Se amo, quero saber a quem. Se sofro, preciso da causa.
As vezes, me pergunto ainda se isso faz de fato alguma diferença. E se tento me enganar dizendo a mim mesmo que nao, sou pego inadvertidamente tentando desvendar as entrelinhas dos meus sentimentos.
Sofrer por amor. Talvez tenha sido esta a primeira vez que isso me aconteceu. Pelo menos por um amor assim tao grande. Esse amor que cega, que dá medo, que é dependente, que sufoca a mim e a nós. Por vezes me deixo levar e minha mente vagueia em fantasias, em angústias e sonhos. De repente volto a mim, e me dou conta da realidade que me cerca. Essa realidade que teima em me chamar e me tirar do meu transe.
Não me reconheço. Eu, que já tive o controle, a razão, a sensatez, hoje estou vulneravel. Estou em carne viva, nu, exposto de uma forma que nunca me vi. Estou preso a você por uma força que transcende minha compreensão. Que se por vezes é o que nos atrai, é também o que nos faz colidir e repelir e começar tudo novamente.
Essa força que voce me mostrou há muito tempo, só hoje eu vim a conhecer. Pena. Se pudéssemos escolher e sincronizar nossos sentimentos… Mas já que não podemos, só nos resta senti-los. Pena. Ah, se pudéssemos! Mas nada disso. Vamos. Seguindo em frente e sempre.
Vamos, eu e voce, porque a vida que nos aguarda é segura, é calma e cheia de paz. Porque o que nos guarda a vida é alegria, felicidade que não acaba. E por aqui vou terminando porque se ainda sou um aprendiz no sentir, o sou muito mais no escrever. Mas nada como a primeira vez."


Resposta


"Se te parece difícil por hora sentir e saber o que sentes, para mim é inebriante ler tuas emoções. Eu que durante tanto tempo achei que sentia sozinha, agora tenho a companhia que tanto almejei. Não se preocupe com a ausência de sincronia. Nunca teremos essa certeza. Se a tivermos no tempo, não a teremos na forma ou na intensidade. Apenas sinta. É isso que importa.
Mas deixemos um pouco de lado, por hora, esse ir e vir de dúvidas e certezas. Estamos num nirvana que me parece às vezes irreal. Esse momento especial vai um dia acabar. Então aproveitemos o que não sabemos quanto irá durar. Vamos sentir plenamente e viver intensamente, um para o outro. Mais uma vez a vida nos surpreende e renova nossos corações.
O que há neles agora talvez seja diferente, inesperado, mas é bom. É novo. É um reapaixonar-mos. E se no começo achei que não era o que queria, hoje tenho em mim o alívio que isso me traz. É algo para mim totalmente surpreendente, e me alegro de que seja você a divir este momento comigo.
Me perdoe se por algumas vezes não me fiz entender. Nem eu me entendo às vezes. E se agora você se descobre novo, quem sabe não compreenda mais um pouco de mim também. Estou me perdendo um pouco entre tantas palavras. Espero estar fazendo sentido.
Por um instante me deparo com uma pausa nos meus pensamentos. É uma trégua que minha mente se obriga a fazer para continuar num sem parar de idéias logo depois. Tento aproveitar essas pausas para sentir um pouco da paz que tanto procuro. Um pouco daquilo que me é tão caro e tão raro. Daquilo que só consigo quando estou ao teu lado.
É disso que me alimento. Da tua paz. É isso que me faz seguir, que me deixa forte para continuar todos os dias nesse frenesi a que me vejo presa. A tua paz me liberta. A tua calma me conforta e a tua serena força me tranquiliza.
Não pense na sincronia. Pense apenas em sentir e isso nos bastará. A ausência de sentimento é o que preocupa, mas nesse vazio nunca iremos cair. Apenas sinta. É isso que importa agora, hoje, sempre."

Um comentário:

  1. Meus queridos.. Lindo ver os dois nessa busca que na verdade aprendi que é constante, do encontro. Como disse o poeta : A VIDA É A ARTE DO ENCONTRO, EMBORA HAJA TANTOS DESENCONTROS PELA VIDA. É através da coragem de se desnudar que nos encontraremos de verdade. um beijo enorrrrrrrrme para voces . Que o exemplo toque os corações daqueles que por timidez, falta de coragem ou sei lá o que perdem essa oportunidade linda que vcs estão se permitindo.

    Estou muito orgulhosa também.... kkkkkk mãe é mãe, não é mesmo?

    ResponderExcluir