segunda-feira, 14 de junho de 2010

New York - Dicas gastronômicas

Contribuição do meu maridinho:




direto de ny


Porções de turismo: dicas gastronômicas para aproveitar o melhor de Nova York
por Malu Porto - 21 de abril de 2010


A frenética Times SquareViajar é mais do que um luxo, é uma necessidade. E não importa o destino, seja Egito ou Saquarema, qualquer imersão em uma realidade que fuja da rotina imprime à vida e à mente novas dimensões. O ato de descontextualizar-se nos dá a oportunidade não só de espairecer de nossas obrigações e idiossincrasias, mas também de tirar férias e desapegar daquilo que parece mais impossível: nós mesmos. Recorrentemente ouve-se a máxima que diz que Nova York não é os Estados Unidos. É uma boa frase para resumir essa "ilha de Babel", em que se escuta uma língua distinta a cada esquina dobrada. E nesses tempos de aldeia global, a cidade elevou o seu hibridismo cultural à máxima potência, tal como uma mutação genética bizarra, em que é possível encontrar suecos em um bar no Soho dançando o "Rap das Armas". Curiosidades à parte, boas dicas na bagagem são sempre indispensáveis quando o assunto é turismo. E tão incrível quanto conhecer os circuitos indicados sob medida por seus amigos mais queridos é desbravar lugares randômicos, que pareciam estar à sua espera, tal como uma festa surpresa aguardando o aniversariante.
Então, para quem planeja visitar a "grande maçã", aqui vão algumas sugestões gastronômicas para transformá-la num apetitoso strudel:
O charmoso Sarabeth's, em frente ao Central ParkCafé da manhã em NY para mim é sinônimo de omelete. Imbatível no preparo e apresentação, o prato não se resume apenas a uma fritada em si, vindo sempre acompanhado de batatas, ou saladas, torradas com manteiga e geleias à disposição -- uma verdadeira refeição.
Na franquia da "padaria chique" Sarabeth's, localizada em frente ao Central Park, pode-se comer o clássico feito com queijo de cabra e espinafre. Os pães artesanais que escoltavam o omelete eram tão tenros e macios que derretiam na boca feito tapioca -- e fez valer cada penny dos inflacionados U$S14. "Cheguei às 6 horas da manhã e os preparei eu mesmo" -- me contou o simpático dono do lugar empolgado com o elogio. O chocolate quente também estava bem servido e, aliado à aconchegante e iluminada decoração, foi um alento na gélida manhã de primavera.
Tudo orgânico no Le Pain QuotidieneTurista que se preze deve estar seguro de que a última coisa que fará em NY é descansar. Então, nada melhor do que, entre um e outro "bater de pernas", recarregar as energias em lugares de atmosfera relaxante -- como é o caso do Le Pain Quotidien. De proposta saudável, trabalhando apenas com alimentos e ingredientes orgânicos, o restaurante é um bálsamo para quem quer um respiro. De almoço, fui do combinado de mussarela de búfala, tomates caqui e salada verde, regado a um delicioso molho pesto e acompanhado de pão italiano -- simplesmente divino e bem servido (o preço girava em torno de U$S 12). Para beber, a casa não oferece refrigerantes nem nada do tipo industrial, então pedi um chá de folhas de hortelã. A filial do bairro do Village fica bem em frente ao prédio da NYU (a New York University) e observar os estudantes com seus notebooks e capuccinos é uma atração à parte.
A envolvente decoração e o curioso frango com pipocaO frisson do anoitecer na cidade é encantador. Uma infinidade de restaurantes charmosos tira o fôlego de qualquer entusiasta gastronômico. Uma das experiências mais especiais foi no Jules, no East Village. A casa francesa conta com apresentações diárias de jazz e o cardápio e decoração são de deixar qualquer bistrô parisiense roxo de inveja. As paredes de tijolos brancos e os cartazes vintage são iluminados pelas velas das mesas, criando um clima bastante envolvente. Não pude deixar de pedir a clássica sopa de cebola de entrada, enquanto me impressionava com os bons rótulos de vinhos a preços módicos do menu. De prato principal, frango orgânico em seu próprio molho, com um macio purê de batatas, vagens e… pipoca! Sim, a refeição com cara e gosto de almoço na casa da avó ganhou esse enfeite curioso. Meu acompanhante foi de filés de vitela ao molho funghi e um saboroso nhoque regado a gorgonzola e trufas brancas. As duas porções eram bem servidas e a sugestão fica em investir nas entradas e dividir um principal. Outra boa opção, além da sopa, é o tradicional patê campagne -- leve e autêntico. Foi difícil deixar o lugar, e só conseguimos ir embora após o término do show da banda, que embalava um bebop contagiante.Outras dicas imperdíveis:
Moonstruck - Diner animado, para um bom café da manhã e brunch. Deliciosos omeletes.Roonybrook Milkbar (Chelsea Market) - Cafés, capuccinos e lanches rápidos no charmoso balcão, após desbravar o irresistível mercado gastronômico.
Il Tre Merli - Restaurante superdescolado no Soho, para um jantar a dois ou reunir os amigos. Os preços em conta dos pratos principais surpreendem.
Oyster Bar (subterrâneo da Grand Central Station) - A decoração impressiona, com seus arcos iluminados. Para os fãs de frutos do mar, as patolas de king crab são indescritíveis. Peça um vinho branco para acompanhar.
The Bourgeois Pig - Casa de fondues, perfeita para noites frias. A decoração é vintage, com poltronas de veludo vermelho e iluminação estilo "penumbra". O clima é bem romântico, mas também há animados grupos de amigos.
Cacio e Pepe - Excelente italiano. A lasanha de nozes, mascarpone e trufas é perfeita. Sente nas mesas da varanda e observe o movimento do boêmio East Village.
French Roast - Bistrô francês com excelentes capuccinos e chocolates, além de saladas, omeletes e croques.
Café Sabarsky - Fica dentro da Neue Gallerie e possui o melhor espresso que provei na cidade. A decoração é lindíssima, mais europeia impossível, no entanto, com a bela vista para o Central Park

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Programa basicão 7 dias em NYC

Programa NYC

Upper East Side – Dia 1

Manhã
- Guggenheim
- MET

Tarde
- Central Park East:
a. Delacorte Theatre
b. Belvedere Castle
c. Estátua Alice
d. Sheakspeare Garden
e. The Ramble
f. The Lake
g. Terraço e fonte Bethesda

Downtown – Dia 2

Manhã
- Battery Park
- Estátua da Liberdade

Tarde
- Sea Port
- Brooklyn Bridge
- WTC, Ground Zero
- Wall St.
- Federal Reserve

Woodbury – Dia 3

Soho, Village, Chinatown – Dia 4

Manhã

- Soho: Spring st, Prince st, Broadway
- Washington Square
- Bleeker st – Magnolia bakery

Tarde

- Meatpacking
- Chinatown
- Little Italy

Theatre district, Midtown – Dia 05

Manhã
- Rockefeller center
- Radio City
- St Patrick`s
- MOMA
Tarde

- Trump tower
- 5th Ave
- The Plaza
- Carnegie hall
- Times square

Midtown East – Dia 06

Manhã
- Grand Central station
- Av Madison
- Edifício Chrysler
- Met life building
- ONU

Tarde
- Bryant park
- Public library
- Empire state
- Madison square garden

Upper West side – Dia 07

Manhã
- The Dakota building
- Strawberry fields
- Museu de História Natural

Tarde
- Lincoln Center
- Time Warner Center
- Columbus Circle

Lojas tendência em NY

Finalmente como prometido, as lojas que para mim vão se tornar grandes nomes.
Barney´s CO-OP

Chique, porém mais acessível e moderna que a sua matriz. Sucesso entre os mais jovens já vem ditando tendências.

Built by Wendy
Roupas descoladas para homens e mulheres, a grande vantagem é que dispõe de poucas peças, assim menor o risco de alguém ir numa festa com o mesmo vestido que vc.

Club Monaco
Atende bem a homens e mulheres num estilo bem Richards, porém com preço menor. As roupas são bem feitas e por isso têm cara de roupa cara, apesar de não ser. A loja conta ainda com um personal stylist para te atender, é só agendar pelo site.

Ava Maria

Aberta em 2010, é uma filial da Elizabeth 260, onde se encontra DVF, MJ, Louboutin, Jimmy Choo e Manolo a preços mais convidativos.

Exstaza e TopShop
Moda fast assim como Forever 21, Zara e H&M.

Uniqlo

A marca japonesa tem crescido e se espalhado pelo mundo, atecipando tendências e com roupas que agradam ao público masculino e feminino a preços módicos.

Black Comme des Garçons

Segunda linha da mega comentada Comme Des Garçons. Graças à recessão agora podemos adquirir invenções do inspirado japa a preços mais em conta.

Steve Madden


Bolsas e sapatos super in a preços módicos.

ScoopUma preciosidade em termos de tendência, não é o que podemos chamar de pechincha, mas vale a pena.

Paul Smith

Chegou encantando principalmente aos homens. A grife britânica que alia suas peculiares listrinhas ao new beetle já se espalhou pelo mundo e é minha grande aposta para bater Ralph Lauren e Lacoste, pois atende tanto a Maurícios e Patrícias como a descolados.

Locações de filmes e seriados em NYC

You've Got Mail (Mensagem pra você)

The Shop Around the Corner: a loja Maya Schaper Cheese & Antiques foi transformada na pequena livraria infantil da personagem de Meg Ryan106 West 69th St
Barney Bluegrass é o restaurante onde Kathleen e Birdie jantam no começo do filme. 541 Amsterdam Ave
Riverside Park, localizado às margens do Hudson entre as Ruas 72 e 158 é o local onde os personagens principais finalmente se declaram, mais precisamente no jardim na altura da Rua 91.
79th st. Boat Basin é o local onde está ancorado o barco onde o personagem de Tom Hanks mora quando deixa o apartamento. 79th st. com o Hudson
É no Café Lalo que Meg Ryan espera ansiosamente para descobrir quem é, afinal, Mr. NY152. 83rd St. between Broadway and Amsterdam.
Starbucks: o do filme é na 83rd com Broadway
Zabars é a loja onde Tom Hanks salva Meg Ryan quando ela entra na fila de “apenas dinheiro” mas quer usar seu cartão de crédito. Se você viu o filme você sabe. Excelente lugar pra você escolher entre a enorme variedade de queijos e outras delícias. Também no filme “Manhattan”, de Woody Allen. Broadway, entre Ruas 80 e 81
H&H bagels é um ótimo lugar pra você provar o típico bagel novayorquino. 80th and Broadway
Verdi Square é uma praça triangular formada no cruzamento da Broadway om Amsterdam, entre as Ruas 72 e 73
Gray’s Papaya tem o cachorro-quente mais famosoda cidade e é super baratinho. Figurinha fácil no cinema e séries de tv. Alguns espalhados pela cidade; este é na 72 com a Broadway.
Ghostbusters
Sede dos caça-fantasmas: na verdade é uma estação de bombeiros em funcionamento (Hook & Ladder 8). Também aparece no filme Hitch. 14 N. Moore St
Apartamento mal assombrado de Dana Barrett, personagem de Sigourney Weaver. 55 Central Park West

Spider Man (Homem-Aranha)
The Daily Bugle: Para a sede do jornal onde trabalhava o Peter Parker foi usada uma imagem CGI do Flatiron Building. 5th Ave entre 22nd and 23rd St.
Diner onde Mary Jane trabalhava enquanto batalhava para despontar como atriz.Moondance Diner, 6th Avenue and Canal Street,

When Harry met Sally
Deli onde Sally finge um orgasmo: Katz's Deli, localizada no Lower East Side. A mesa utilizada na cena está marcada e você pode pedir o mesmo que os atores no filme. 205 E. Houston Street
Arco onde Sally se despede de Harry depois da longa viagem de Chicago a NYWashington Square Arch West 4th Street
Friends
Apartamento onde moravam os amigos fica localizado em Grenwich Village. O prédio tem um café no andar térreo, que não era utilizado como locação. O Central Perk era filmado em estúdio em Los Angeles. 90 Bedford St (esquina com Grove), Purplewich Village.
Prédio do Ross, o único friend que não morava no mesmo prédio: 12-21 Grove in Purplewich Village.

Will and Grace
O estúdio da Grace: Embora a série tenha sido filmada em LA, imagens do prédio forama usadas para dar a impressão de se passar em NY.Este edifício, chamado Puck Building, é muito conhecido. Foi no salão deste prédio que o Harry se declarou pra Sally numa festa de Reveillon. 295-309 Lafayette St
Big (Quero ser grande)
Na cena mais famosa do filme, Josh, o personagem de Tom Hanks, dança num enorme piano no chão da F.A.O. Schwarz . Este piano não esteve lá por anos mas agora está, e você pode aproveitar e repetir a cena. 767 Fifth Avenue (com a Rua 58)
The interpreter (A intérprete)
Sede da Onu é onde trabalha a personagem da Nicole Kidman, que dá título ao filme. 1st aveue com Rua 46Clique aqui para ler mais sobre a sede da ONU aqui
casa da protagonista:128 East 10th Street com Stuyvesant st.
parque onde a intérprete encontra seu amigo: Riverside Park, às margens do Hudson
Rent
Exterior do Bar onde os personagens cantam La Vie Bohéme sobre a mesa: chama-se Vazac's Horseshoe Bar e fica próximo ao Tompkins Square Park. 108 Avenue B
Serendipity
Serendipity III é o restaurante onde Sara e Jonathan tomam um sorvete depois de se encontrarem na Bloomingdale’s. 225 East 60th Street (entre 2nd and 3rd Avenidas)leia mais
Breakfast at Tiffany’s
Apartamento de Holly Golightly's: Audrey Hepburn, no filme, mora no 169 East 71st Street
Tiffany’s - 727 Fifth Avenue (com Rua 57th.)
13 going on 30
Apartamento de Jenna Rink, a protagonista interpretada por Jennifer Garner e que foi por anos o endereço do casal de Mad About You: 51 5th Ave at 12th Street, [pertinho do Washington Square Park. Para morar ali, espere entrevistas barra-pesada com outros moradores e tenha seu milhão de dólares preparado.
Hitch
Jornal onde Sara escreve sua coluna: 200 Fifth Avenue at 23rd Street
In good company
Hayden Hall: dórmitório dos calouros da NYU a um pulinho do Washington Square Park: para onde se muda Alex, personagem de Scarlett Johannson. 33 Washington Square West
Café Reggio: Lugar gostoso para tomar um café nas mesinhas na calçada e observar os moradores do Village. 119 MacDougal Street
Seinfeld
Tom’s Restaurant: Este é o mais que famoso Monks Diner, onde os personagens se encontravam. No início o nome real aparecia, mas foi cortado para evitar o apgamento dos direitos aos proprietários. - 2880 Broadway com Rua 112
Soup Kitchen International: O personagem ‘Soup Nazi’ é baseado no proprietário deste local. As regras - e como o proprieitário gosta delas! – você pode ver no site : 1- Escolha a sopa que quer 2- Tenha o dinheiro à mão 3- Vá para a esquerda depois de pedir. site . 259 W. 55th Street at 8th Avenue
A casa localizada em 10 Leroy Street já foi cenário de diversos filmes, como Outono em Nova York, porque o lado opsoto da Rua não tem edifícios altos, favorecendo a iluminação.

domingo, 6 de junho de 2010

Liquidação na Victorias Secret


Ótima oportunidade para garimpar sweaters wrap (cobertor de luxo e "in" da nova coleção) por USD 15, calças por USD 9, sobretudos (always fashion) por USD70. Vale lembrar que o frete custa USD30. Ou seja, vale a pena aproveitar esta super promoção. A única coisa que não entrega no Brasil são os hidratantes, de resto, pode pedir de tudo!! Última dica, compras acima de USD50 estão sujeitas a imposto de 60% do valor, devendo ser retiradas numa agência do correio. Ainda assim vale muito a pena


Ps2. Devido a taxa vale a pena fragmentar as compras em pedidos de até USD50, assim não se paga a taxa de importação, paga-se o frete adicional, mas num valor menor que a taxa de importação.

sábado, 5 de junho de 2010

Musicais da Broadway

Estou começando a seção especial, que conta com convidados experts,falando sobre suas especialidades. O primeiro é sobre musicais, e para isso nada melhor do que meu amigo hyper fashion Vinicius Campos. Diretamente de SP, com inúmeras paradas em NY, a primeira parte da sua matéria:


Na primeira semana de maio foi anunciada a lista dos musicais indicados ao Tony Awards 2010 (o Oscar dos musicais da Broadway). Concorrendo ao prêmio de melhor musical estão Memphis com 8 indicações (anos 50, rock n roll, revolução cultural, etc...), American Idiot com 3 indicações (musical do Green Day), Fela! com 11 indicações (história de um músico nigeriano que desafiou a corrupção do governo militar) e Millian Dollar Quartet com indicações (Johnny Cash, Jerry Lee Lewis, Carl Perkins e Elvis Presley juntos). É sua primeira vez em NYC? Então fuja de todos eles, as opções tradicionais podem proporcionar diversão garantida. Esta temporada de lançamentos não trouxe muitos destaques, vale a pena esperar e ver os que vão fazer mais sucesso.
ps1. aproveite a dica abaixo de Fantasma com tradução.
ps2. não esqueci do post das lojas que prometem em Ny, já vai sair!!!!

Fantasma da ópera com tradução simultânea - NY


O blog da Daisy tem várias dicas sobre NY e uma muito boa é:






Finalmente vou postar uma dica quentíssima. Não há como ir a Nova York e deixar de assistir a peça mais famosa da Broadway, pois a produção é divina, incrível e tão perfeita que chega a ser assustadora. O cenário, o palco, são tão incríveis. Na cena em que Cristhine é levado pelo fantasma ao mundo subtarrêneo é tão real, os detalhes são tão perfeitos que parecem uma super produção de cinema.
Mesmo quem não curte ópera ou musical a peça é imperdível, pois vale pela perfeição com que se desenvolve a trama e te prende do início ao fim.
Para quem não quer assistir em Inglês, no intervalo vi no banheiro um cartaz que indicava a tradução simultanea da peça para diversas línguas, entre elas o Português. Para quem quer o serviço, vale a pena se informar antes de começar a peça.
A peça começa com uma apresentação teatral de opera e balé, no entanto, a famosa cantora de ópera, adoece e precisa ser substituída, aí entra a bailarina Christine que passa a substituir Carlotta e ao se apresentar no teatro, é muito aplaudida, conquistando fama, sucesso e ainda o coração do homem amado e de Erik, o Fantasma que se sente enciumado com a relação de Chistine e Raoul. Christine acredita que o Fantasma é um anjo enviado por seu pai, já falecido. Após a apresentação o Fantasma seqüestra Christine e a leva para o seu “mundo”. Para mim essa transição foi incrivelmente produzida, o auge da peça.A história passa então a retratar o amor de Christine e Raoul e sua fascinação pelo Fantasma.Lindo, imperdível.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O outro lado de NYC

Parece Bordeaux, mas é Nova York


Os Estados Unidos produzem vinhos de qualidade fora da Califórnia — e a 200 quilômetros de Manhattan


Por Angela Pimenta 07.02.2008
Revista EXAME -


A CIDADE DE NOVA YORK É um dos maiores pontos turísticos do mundo. A imensa maioria dos 44 milhões de visitantes por ano é formada por turistas ansiosos para percorrer o roteiro básico. Ou seja, visitar o Empire State, bater perna no Central Park e conhecer as butiques do Soho. Outro grupo, menor, já cansou de fazer os passeios tradicionais e prefere ir a shows de jazz no Blue Note, comer um hambúrguer no Donovan’s Pub e assistir a jogos do New York Knicks no Madison Square Garden. Para quem faz parte desse segundo grupo, as cercanias da cidade oferecem ainda um programa pouco conhecido — a visita às vinícolas do estado de Nova York. Isso mesmo: há produção de vinho em Long Island. Banhado pelo oceano Atlântico, o lugar, que reúne cerca de 70 estabelecimentos entre vinícolas e vinherias, tem frutos do mar de alta qualidade e charmosas pousadas. Trata-se de uma inusitada atmosfera rural a apenas 200 quilômetros do mais importante centro financeiro do mundo.
Claro, a proximidade de grandes centros urbanos não significa nada em relação ao que mais importa quando se fala de vinhos — se a bebida é boa ou não. Que o digam os moradores de São Paulo, que encontram poucos motivos para fazer romarias às cidades vizinhas de Jundiaí e São Roque, tradicionais produtores de vinhos populares.
No caso de Long Island, há também a cruel comparação com os excelentes vinhos californianos, produzidos no Napa Valley. A verdade, porém, é que o vinho de Long Island vem ganhando prestígio. Segundo uma recente avaliação do crítico Eric Asimov, do New York Times, “os vinhos de Long Island merecem respeito. Os melhores são menos encorpados do que os vinhos da Califórnia, com um teor mais baixo de álcool e maior acidez”. A revista Wine Advocate, editada pelo mais influente dos críticos americanos, Robert Parker, nos últimos anos vem dando notas iguais ou superiores a 90, numa escala de 100 pontos, a dezenas de vinhos da ilha. Na avaliação da revista, entre os destaques estão o merlot da Paumanok Vineyards, uma das vinícolas mais tradicionais do lugar, e o bordeaux da Bedell Cellars, cujo dono é o multimilionário Michael Lynne, produtor executivo da trilogia de filmes O Senhor dos Anéis.


É logo ali
A MELHOR MANEIRA DE ENTENDER A geografia da região é conferir o mapa de Long Island, que acompanha o litoral dos estados de Nova York e Connecticut. Na extremidade norte, a ilha se bifurca em duas pontas. A terra dos vinhos fica no North Fork, mais bucólico e tradicional. Já o South Fork, a meia hora de carro de boa parte das vinícolas, sedia a região dos Hamptons, com as praias mais badaladas da costa leste americana e as mansões de celebridades como Robert De Niro, Donna Karan e Jerry Seinfeld. Como era de esperar, com tal vizinhança a terra dos vinhos cobra preços altos durante a alta estação, que vai do começo da primavera, em abril, até meados do outono, em outubro. Mas, durante o inverno, quem se dispõe a enfrentar os rigores climáticos para tomar vinho ao pé da lareira encontra preços menores. Enquanto pousadas de primeira linha, como a Harborfront Inn, na vila de Greenport, costumam cobrar diária de 700 dólares durante a alta estação, no inverno os preços caem para 180 dólares. Nas vinherias, o preço da degustação de vinhos não muda ao longo do ano. Em média, pagam-se 5 dólares para experimentar os tintos, brancos e rosés de cada vinícola. A forma mais prática de ir até lá é comprar um pacote turístico de um dia, saindo de Nova York de ônibus para visitar as vinícolas, com degustações e refeições já incluídas, ao preço de 150 dólares por pessoa durante todo o ano.
Como é tradição nos Estados Unidos, o aprimoramento dos vinhos de Long Island deve ser creditado à combinação do método com a teimosia. Nos anos 70, a batata e a couve-flor eram os produtos típicos do lugar e o vinho era de qualidade inferior. Levou tempo para que as vinícolas aprendessem a lidar com as suaves colinas de terreno arenoso e clima sempre úmido, além das temperaturas extremas, tanto no inverno quanto no verão. Nos anos 80, plantadores de uva pioneiros passaram a colher bons resultados ao investir em uvas das variedades típicas da região francesa de Bordeaux — a cabernet sauvignon e a merlot. Seu sucesso começou a atrair novos interessados, boa parte jovens enólogos cansados do agito de Nova York. Hoje, as vinícolas produzem 500 000 caixas de vinho e já atraem meio milhão de turistas ao ano.