quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Site lista os albergues mais bonitos e aconchegantes para uma viagem barata


Quer se hospedar bem gastando pouco? Os 10 albergues mais legais do mundo

por Redação Galileu
Viajar é caro. Você gasta com passagens, passeios, alimentação e hospedagem. Mas ao menos uma dessas despesas podem ser reduzidas: que tal trocar hotel por albergue, pagar pouco e ainda conhecer pessoas de culturas muito diferentes da sua? Existem muitos tipos de albergues pelo mundo e existe chance de você entrar numa fria fazendo a reserva pela internet sem conhecer o local. Para dar uma mãozinha aos viajantes, o site Capital One Journey Student Card fez uma lista dos albergues mais fantásticos do planeta. Confira:

1. Wombat’s – Viena, Áustria
Editora Globo
Wombat's
Presente também em Berlim e Munique, o albergue de Viena chama a atenção pela decoração e limpeza. Conta com um terraço, bar e um lounge amplos para os visitantes interagirem.

2. The Adelaide Hostel - São Francisco, Estados Unidos
Editora Globo
The Adelaide Hostel - São Francisco, Estados Unidos
Além de aproveitar a atmosfera acolhedora da cidade de São Francisco, você pode se hospedar em um lugar aconchegante pagando pouco. O The Adelaide Hostel, classificado pelos visitantes do site hostel.com como um dos 10 melhores do mundo em 2006, fica a poucos minutos do centro da cidade.

3. PLUS Florence – Florença, Itália
Editora Globo
PLUS Florence – Florença, Itália
Para quem acha que impossível encontrar lugares bons e baratos na Europa – principalmente na Itália – o PLUS Florence mostra que é possível uma cama decente a partir de 12 euros por noite. E os hóspedes ainda podem desfrutar de um terraço para beber com os amigos e piscina.

4. Die Etage – Berlim, Alemanha
Editora Globo
Die Etage – Berlim, Alemanha
Além de uma boa cama, um ambiente limpo e agradável, o que mais um viajante pode querer? Uma proprietária atenciosa e que conhece a cidade inteira e pode dar informações.


5. The Backpack - Cidade do Cabo, África do Sul
Editora Globo
The Backpack - Cidade do Cabo, África do Sul
Cidade do Cabo é um lugar caro, mas o preço do albergue The Backpack vai ajudar a economizar. Um dos mais antigos, bonitos e baratos do local, parece mais com um hotel de nível bom. Ele tem piscina, serve comida local e os quartos impressionam pela decoração.

6. Bob Marley House Hostel - Luxor, Egito
Editora Globo
Bob Marley House Hostel - Luxor, Egito
O que Bob Marley tem a ver com as pirâmides do Egito? Também não sabemos, mas quando a ideia é conhecer o mundo gastando pouco vale tudo, ainda mais se isso significar um ambiente agradável e acolhedor. O Bob Marley House Hostel tem cada parede decorada com adornos que lembram o rei do reggae e é cheio de cantinhos curiosos.

7. Le Village Hostel - Paris, França 
Editora Globo
Le Village Hostel - Paris, França


Ficar no boêmio bairro de Montmartre é o desejo de qualquer turista que visita Paris, ficar em um lugar simpático e barato, é melhor ainda. O Le Village oferece isso e muita organização.

8. Astor Museum - Londres, Reino Unido
Editora Globo
Astor Museum - Londres, Reino Unido
O albergue não fica em um prédio novo, mas é bem cuidado e é perto das principais atrações da cidade. Como os proprietários também são viajantes, quem passa por lá ainda ganha uma mãozinha na preparação dos passeios.

9. Sant Jordi Alberg - Barcelona, Espanha
Editora Globo
Sant Jordi Alberg - Barcelona, Espanha
Para completar o clima de festa das ruas de Barcelona, o albergue Sant Jordi oferece instalações acolhedoras e modernas. Parece que o hóspede está na sala de casa, almofadas pelo chão, espaçoso e cozinha bem equipada e TV a cabo – não que você vá querer ficar assistindo TV com a cidade acontecendo lá fora.

10. Wake Up Sidney Hostel – Sidney, Austrália
Editora Globo
Wake Up Sidney Hostel – Sidney, Austrália
Uma boa opção para viagens de última hora, o gigante Wake Up Sidney Hostel, tem sempre muitos quartos disponíveis e clima de festa. Tudo muito organizado e limpo. O albergue ainda dá aquela ajudinha para quem está procurando emprego na cidade.

EXTRA:
Como nós da Galileu achamos que faltou América do Sul nessa lista, colocamos abaixo duas escolhas da redação, uma no Brasil e outra no Chile:

Pipa Hostel – Praia da Pipa, Rio Grande do Norte
Editora Globo
Pipa Hostel – Praia da Pipa, Rio Grande do Norte
Andes Hostel – Santiago, Chile
Editora Globo
Andes Hostel – Santiago, Chile

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Napa Valley - Mondavi, Inglenook e Bouchon

Napa fica bem perto de São Francisco, a cerca de uma hora de carro. Ficamos hospedados no hotel Avia na cidade de Napa e foi ótimo. Como estávamos de carro e nenhum de nós queria perder as degustações, resolvemos pegar um taxi até as vinícolas para não correr o risco de sermos parados pela polícia na estrada.

A região é bem extensa e se subdivide em outras de acordo com características do solo, temperatura e umidade que conferem qualidades diferentes as uvas cultivadas ali. Em Napa Valley, temos Oakville, Rutherford, St. Helena, Calistoga, entre outras.



Robert Mondavi foi um dos pioneiros na vinicultura da região. A vinícola fica localizada na região de Oakville a uns 20 min de carro do centro de Napa. São oferecidas várias opções de degustação que variam de preço de acordo com a duração e o número de vinhos a serem provados. Escolhemos o Signature Tour and Tasting que tem duração de 75 min e dá direito a 3 provas (USD 25/pessoa).





O passeio começa dentro da casa principal, com um histórico sobre o Mondavi e uma breve explicação sobre a região de Napa. Dali, seguimos para os vinhedos que nesta época do anos estavam começando a brotar. Em seguida, fomos para a sala onde estão os barris para fermentação e envelhecimento do vinho e enfim, veio a degustação: 1 branco (Sauvigon blanc, rebatizado de Fume blanc) e 2 tintos (Pinot noir e Cabernet sauvigon), todos excelentes.



Inglenook, que antigamente se chamava Rubicon, fica na região de Rutherford. Sua história data de 1880, quando Gustave Niebaum compra a propriedade de Inglenook e mais 124 acres de terras vizinhas e em 1882 os primeiros vinhos são produzidos. O negócio prosperou durante muitos anos, mas sofreu com a Lei Seca e a morte de Gustave Niebaum e seu bisneto e herdeiro John Daniel Jr.

Em 1975, Coppola compra parte de Inglenook e começa a produzir vinhos sob o selo Niebaum-Coppola. Aos poucos, vai adquirindo as áreas vizinhas e em 2011, retoma o nome Inglenook após restabelecer a propriedade original.





Os vinhos produzidos a partir da uva Carbernet sauvignon são o seu forte, com destaque para os vinhos Rubicon e CASK. A visita com direito a degustação dura 90 minutos e sai a USD 50,00. Fomos recebidos com um espumante para já entrarmos no clima e seguimos para conhecer a propriedade. São oferecidas provas de 4 vinhos, com uma pequena harmonização de azeites e queijos. A casa principal agora abriga um pequeno museu com memorabilia dos filmes e prêmios que Coppola ganhou.





Tenho que confessar minha predileção por Inglenook pelo conjunto da obra. A propriedade é deslumbrante, simbolizada pelo chateau. A nossa guia foi de uma simpatia fora do comum, dando inclusive algumas provinhas extras de outros vinhos que estávamos cogitando comprar. Em ambas é indispensável fazer reserva, que pode ser pelo site.





Como se não bastassem essas duas visitas maravilhosas, terminamos o dia com um jantar no Bouchon, o bistrô do Thomas Keller, chef que comanda o French Laundry (Napa) e o Per Se (Nova York). Dia pra ficar na memória pra sempre!

domingo, 8 de julho de 2012

São Francisco - Dia 4

São Francisco – Dia 4

O último dia na cidade começou com um café da manha na Boudin. Lá é fabricado o sourdough, um pão único pois é fabricado com um fermento obtido através de uma levedura que só cresce em São Francisco devido as características únicas de umidade e temperatura do clima dadas pelo fog matinal.

Boudin Cafe

Pão, pão, pão

Pães pelos ares


Existem várias lojas espalhadas pela cidade, mas escolhemos esta em especial por ser a maior e ter a fábrica de pães. Pela loja podemos ver os pães cruzando o teto em cestas levadas por trilhos. Na lojinha pode-se comprar produtos gourmet e se você quiser conhecer mais tem também o museu.

Passeamos pelo Fisherman’s Wharf e seguimos até o Pier 39 onde ficam os famosos leões marinhos. Pelas fotos que já tínhamos visto, até que não havia muitos, mas mesmo assim foi legal, pois para nós isso é muito distante da realidade.

Fisherman's Wharf

Loja para canhotos

Leões Marinhos


O Pier em si não tem nada demais. Vale a visita mas sem investir muito. Uma loja bem legal que vimos foi a Lefty’s, que vende várias coisas voltadas para canhotos.

De lá seguimos para o Ferry Building. Esse definitivamente foi o dia mais gastronômico na cidade. Pra quem curte comida esse lugar é um paraíso. Lojas as mais diversas sobre tudo: vinho, mel, azeite, sorvete, cogumelos, carnes, sanduíches...

Mel

Azeite
Cogumelos


Foodies felizes!


Almoçamos no Boulettes Larder. Excelente!

A tarde, mais um volta pela cidade. Enquanto a Bia fazia um tour pelas lojas, fui conhecer um pouco de Chinatown. É bem diferente da de NY. Achei mais organizada e bonita. Em algumas lojas você pensa mesmo que não está nos EUA já que eles nem se preocupam em traduzir o que está escrito para o inglês.




De volta para o hotel, deixamos as malas prontas pro dia seguinte sairmos cedo para Napa!

quinta-feira, 5 de julho de 2012

São Francisco - Dia 3


São Francisco – Dia 3

Como sugerido pela Maryanne do Hotel California, fizemos o Bike the Bay na manhã do terceiro dia. Pegamos o bonde na Powell St na primeira estação perto da Market St. Muito legal ver como funciona o sistema para rodar o bonde no fim da linha. O ideal é pegar o bonde da linha Powell-Hyde que leva você até o Fisherman’s Wharf passando pela Lombard St pela parte alta. Nos distraímos e acabamos pegando a linha Powell-Mason que deixou a gente na parte baixa. Tirando a subida super íngreme, deu pra sobreviver!

Onde o bonde faz a curva

No bonde

Paramos na Lombard St., tiramos nossas fotos e após matarmos essa parte turistona, seguimos para a loja de aluguel de bicicletas. Mais uma vez seguimos a dica da Maryanne e fomos para a Blazing Saddles (2715 Hyde St.). Tudo muito rápido, fácil e eficiente. Você pode alugar por hora ou pagar pelo dia. A nossa saiu a USD 36,00/dia, mas existem vários modelos (mais caros) se quiser algo mais profissional.

Lombard St.

Biking the Bay

Fomos margeando a baia, passamos pela Marina até chegarmos a Golden Gate. A vista e incrível e vale muito a pena. Do outro lado da ponte, chegamos a Sausalito, uma cidade menor e bem tranquila. Paramos para um almoço e aproveitamos a tarde por la. Na volta, pegamos o Ferry Boat (você ganha o ticket na hora que aluga a bike e se nao usar e so entregar que eles devolvem o dinheiro). É bom se ligar nos horário pois a balsa sai a cada 40min e o último e por volta das 18:00. Passeio super recomendado!

No caminho

Na ponte

Pausa para o almoço
Fila para o ferry boat

domingo, 10 de junho de 2012

São Francisco - Parte 1


São Francisco – Dia 1

Depois de um vôo bastante cansativo, RIO-NY-SF, pegamos um taxi e fomos direto para o hotel. Ficamos em SoMa (South of Market), no Good Hotel: hotel novo, preço justo e boa localização. 

Como restava apenas a tarde deste primeiro dia, fomos direto para a Union Square. Fizemos um reconhecimento de área e aproveitamos para comprar logo nosso chip pré-pago da T-Mobile, imprescindível para podermos ter internet no celular à vontade sem tomarmos um susto com a conta na volta ao Brasil. O chip com o plano de ligações dentro dos EUA e acesso de dados ilimitados saiu por USD 50,00. Por mais USD 10,00 poderíamos ter ligações ilimitadas para o Brasil. Não pergunte porque não contratamos....

Union Square

Neste dia jantamos numa lanchonete estilo anos 50 com ótimo hamburguer chamado Lori’s Diner (www.lorisdiner.com) perto da Union Square.

Sao Francisco – Dia 2

No segundo dia, saímos do hotel em direção a Mission e Castro. Tomamos café num ótimo lugar chamado Tartine Bakery (www.tartinebakery.com) na esquina da Guerrero St. com a 18th St. A fila às vezes chega a ir pra fora da loja, mas anda rápido e vale muito a pena.

Mission

O Mission é um bairro de imigrantes latinos e tem lugares bastante interessantes como bares e restaurantes pra ir à noite. Passamos pela Mission Dolores, antiga missão construída durante a colonização espanhola, que tem uma bela arquitetura.

Mission Dolores

De lá, chegamos no Castro, o famoso bairro gay de Sao Francisco, onde morou Harvey Milk, primeiro politico gay dos EUA. Passamos pela loja onde ele trabalhou e pela praça construída em sua homenagem.

Castro

Harvey Milk Plaza

Loja onde Harvey Milk trabalhou

A ideia inicial era seguir para o bairro Haight-Ashbury, mas pegamos o bonde errado e acabamos indo para o Civic Center, onde tem o prédio da prefeitura, parte totalmente dispensável do tour.

Civic Center

Retomamos nosso roteiro, a pé. Passamos pela Alamo Square, onde estão as famosas Painted Ladies, casas em estilo vitoriano, características de São Francisco.

Painted Ladies

Alamo Square
O bairro Haight-Ashbury foi onde surgiu o movimento hippie e a contra-cultura. Lugares bem diferentes e divertidos. Tomamos uma cerveja na Magnolia Brewery, uma cervejaria local (http://www.magnoliapub.com/). Nesse bairro, procure pela Haight St. que é a principal. Pra quem gosta de música a Amoeba Music é parada obrigatória. Ocupa 2.200 metros quadrados de um boliche desativado e possui vários CDs, vinis e fitas cassete.

Haight-Ashbury

Haight-Ashbury

Haight-Ashbury
Voltamos para o hotel para um pit-stop e fomos para o tour de Alcatraz. Escolhemos o tour noturno, comprado online no site http://www.alcatrazcruises.com/ e foi muito bom! Lá venta bastante, então é bom ir preparado. Como fomos nesse horário, das 20:00 às 20:30 pudemos visitar a área onde funcionava o hospital do presidio!

Alcatraz ou The Rock

Visão ao chegar


SF vista de Alcatraz


Terminamos o dia no Players Sports and Grill (http://www.playerssf.com) no Pier 39. Não era nossa primeira opção mas já estava quase tudo fechado por causa da hora.