segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Greve na França - matéria G1

A mobilização popular contra a reforma previdenciária da França, iniciada em começo de setembro, intensificou-se nesta segunda-feira (18), com mais de mil postos de combustíveis desabastecidos no país e a adesão de novos setores, como os caminhoneiros.
Ao mesmo tempo, o conservador presidente Nicolas Sarkozy, que propôs as reformas atualmente em trâmite no Senado, disse que não vai ceder.
"A reforma é essencial, e a França está comprometida em levá-la adiante, assim como nossos colegas alemães fizeram", disse em entrevista em Deauville.
A União de Importadores Independentes de Petróleo afirma que, dos 4 mil postos da França, 1.500 estão sem combustível.
Estudante ferido é levado por policiais durante protesto em Lyon nesta segunda-feira (18).Estudante ferido é levado por policiais durante protesto em Lyon nesta segunda-feira (18). (Foto: AP)
Os franceses protestam desde o começo de setembro contra a reforma das aposentadorias, que prevê aumentar de 60 para 62 anos a idade mínima legal para se apostentar e de 65 para 67 a idade para ter direito a aposentadoria integral.
Nos últimos dias, a greve se espalhou para o setor de petróleo, parando as 12 refinarias do país. O governo negou nesta segunda-feira que exista desabastecimento, mas decidiu, em reunião chefiada pelo próprio Sarkozy, criar uma "célula interministerial de crise" para garantir o abastecimento.
A Agência Internacional de Energia (AIE), responsável pelos suprimentos estratégicos de petróleo em países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), disse que a França tem estoques para 98 dias e que o país já começou a usar as reservas emergenciais de 30 dias da indústria.
Os caminhoneiros começaram uma "operação tartaruga" próximo às grandes cidades. Militantes e grevistas bloquearam terminais de transporte e depósitos. A circulação de trens continuava prejudicada.
Estudantes também aderem à manifestação, e houve confrontos após protestos de rua nos subúrbios de Paris, Nantes, Lille, Rouen e Lyon. Pelo menos 196 pessoas foram presas, segundo a polícia.
Nesta terça, deve ocorrer uma jornada nacional de greves e protestos, convocada pelos principais sindicatos -que têm o apoio de 71% da população, segundo pesquisa do instituto CSA divulgada nesta segunda.
A Direção Geral da Aviação Civil prevê para este dia o cancelamento de 50% dos voos em Orly, Paris, e de 30% nos demais aeroportos.
O Senado deve votar a reforma na quarta-feira, mas, por conta das pressões polulares, setores já admitem que a votação poderia ser adiada para o dia seguinte. A nova lei já foi aprovada pela Assembleia Nacional.
Desabastecimento
Motoristas correram para os postos de combustíveis para encher seus tanques nesta segunda, mas muitos postos já estavam fechados ou sem estoque de pelo menos um produto petrolífero.
"É uma loucura, afundamos", disse a gerente de um posto na avenida Champs Elysées. "A situação está crítica", disse uma porta-voz da Exxon Mobil. "Qualquer pessoa que procure diesel nas regiões de Paris e Nantes (oeste da França) terá problemas."
Célula de crise
O ministério do Interior da França anunciou a ativação de uma "célula interministerial de crise". "A célula interministerial de crise começa a funcionar às 14h (9h de Brasília) presidida pelo ministro do Interior, Brice Hortefeux", afirma um comunicado ministerial.
Os ministérios da Economia, Energia, Ecologia e Interior estarão representados na célula, que pretende coordenar as tarefas dos diferentes serviços do Estado para garantir a perenidade do abastecimento.
Muitos motoristas encheram os tanques de seus carros nos últimos dias após as informações de uma possível falta de combustível com a greve.
Trens afetados
O tráfego ferroviário seguia afetado pela suspensão de cerca de metade dos trens previstos, enquanto as refinarias continuam bloqueadas - pelo movimento de protesto contra a reforma da previdência -, ação que já provoca desabastecimento em todo o país.

Manifestantes continuam bloqueando as principais refinarias do país.Manifestantes continuam bloqueando as principais refinarias do país. (Foto: Kenzo Tribouillard / AFP Photo)


Enquanto isso, os ferroviários continuaram com as interrupções que obrigaram à empresa nacional de trens a suspender a metade das viagens domésticas previstas para esta segunda. As interrupções afetam também pequena parte da circulação de trens internacionais, informou a empresa.
Os transportes públicos de Paris, no entanto, funcionam com normalidade com exceção de uma linha para bairros, informam autoridades.
O primeiro-ministro francês, François Fillon, advertiu no domingo que não aceitaria a paralisação do país com base na ação dos movimentos sindicais, e advertiu que o governo pode reabrir as refinarias, se necessário, pela força.
Como parte dos protestos em todo a França, manifestantes bloqueiam o tráfego em Toulouse, sul do país.Como parte dos protestos em todo a França, manifestantes bloqueiam o tráfego em Toulouse, sul do país. (Foto: Remy Gabalda / AFP Photo)

Reformas
O presidente Nicolas Sarkozy tem insistido em que seu governo levará até o fim essa reforma importante de seu mandato e que não fará "mais concessões".
Os sindicatos, por sua vez, estão determinados a aumentar a pressão antes da adoção no Senado do texto.
No Senado, os opositores à reforma continuam suas ações, apresentando emendas e pedindo o uso da palavra, de forma a adiar a votação uma vez mais.
O Poder Executivo aposta em um enfrequecimento da mobilização antes da votação definitiva no Parlamento, que deve ocorrer no fim de outubro.
(*) Com informações das agências de notícias Efe e France Presse

9 comentários:

  1. Está realmente muito difícil viajar atualmente. Além dos problemas comuns, como aeroportos sobrecarregados e vôos insuficientes para atender a demanda, há ameças de terrorismo, vulcões, greves, epidemias e problemas climáticos cada vez mais sérios. O negócio é comprar as passagens, reservar e rezar.
    Um clima desse acaba com o charme de Paris. Já pessou um casal que, em janeiro, decidiu passar a lua de mel em outubro na cidade, pois é a época mais romântica? O que fazer?
    bj

    ResponderExcluir
  2. Amiga, estou preocupada... será que voces nao vao ter problemas?
    No nosso último dia, esta questao já começava a surgir... pessoal do nosso hotel nos avisou que estava difícil conseguir shuttle para o aeroporto - tivemos que reservar com antecedência para dar tudo certo!
    Deus abençoe que dê tudo certo na sua viagem!!!
    bjs
    Bárbara

    ResponderExcluir
  3. Cara Bárbara, estou de viagem marcada para quinta-feira (21.10), mas o que seria da França sem as greves, sem as manifestações?! elas estão aí há séculos, isso faz parte desse povo, e quanto a Paris, creio que a mesma passa quase intocável por tudo isso, pior é no Brasil (Rio, São paulo, Salvador, Recife) que mesmo sem o povo reinvidicar absolutamente nada é infinitamente mais perigoso que Paris. Então tenham todos uma boa viagem e curtam Paris, que sempre será bela, com greve ou sem greve.

    ResponderExcluir
  4. Oi Joe,
    Estou indo para Paris um dia depois de vc!!! Quais são seus planos lá?
    Espero que a greve não nos atrapalhe!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Bia, Planos: Flanar, alguns museus, restaurantes e cafés. Acho que nada irá nos atrapalhar, iremos com espirito que tudo dará certo, Paris passrá por isso sem maiores problemas creio eu. Estaremos em Saint Germain Dés-Prés. Dê noticias para combinarmos algo como um café ou um jantar. Bye.

    ResponderExcluir
  6. Oi Joe,
    Vamos ficar na Bastille e os programas são estes mesmos: andar e comer...rs
    Estamos com alguns restaurantes reservados, compramos ingressos para ver um ballet no Opera dia 25/10 e a exposição do Monet no dia 26/10. No dia 23/10 estávamos pensando em jantar no Le Cocotte, que é bem cotado e não aceita reserva. O q vc acha?
    bjos

    ResponderExcluir
  7. Bia, fechado. O nome do restaurante não é La Cocotte? fica na Rue Sébastien Mercier? Se for esse nos diga antes de nosso embarque (21.10 as 20:45) para podermos marcar hora para nos encontrarmos, ok? Espero seu retorno. Au revoir.

    ResponderExcluir
  8. Oi Joe,
    Não é este não, acabei de postar as informações. estava pensando em marcar as 20:30h o q vc acha?
    Bjos

    ResponderExcluir
  9. Combinado, já vi seu post, anotei o endereço, marcado então as 20:30 do dia 23 (sábado). Até lá,vamos estar esperando vcs, e façam uma boa viagem. vamos ver se o Sarkozy tem bom gosto. rs.

    ResponderExcluir