sábado, 22 de outubro de 2011

Jerusalém - Free Tour

Jerusalém é uma cidade intrigante por diversos motivos. Em primeiro lugar, é uma cidade sagrada para 3 das principais religiões do mundo: cristã, judaica e muçulmana. Para cada uma delas, serviu de palco para passagens importantes relatadas nos seus respectivos livros sagrados: Bíblia, Torah e Alcorão. Esse será o primeiro post sobre os tours que fizemos em Jerusalém. Como já falamos antes, é muito recomendável que se faça o passeio pela cidade com guia porque isso irá eriquecer muito mais a viagem.

A história da cidade se mistura com a das religiões que são extremamente complexas e interligadas e seria impossível explicar muitas coisas por aqui. Por isso, falaremos um pouco de História enquanto mostramos fotos e damos algumas dicas, mas sem entrar em muitos detalhes.

O ponto de partida dos passeios guiados é o portão de Jaffa, onde fica o centro de informações turísticas. Chegando lá os guias já se apresentam pra voce e oferecem seus pacotes. Duas empresas disputam mais acirradamente os turistas: a Zion Walking Tours e a New Jerusalem Tours. As duas oferecem um primeiro passeio grátis como se fosse uma introdução a Jerusalém, que eles chamam de Free Tour, e na verdade é uma apresentação do serviço para que você compre os outros passeios (Mount of Olives tour e Holy City tour).

Há passeios em inglês e eles duram cerca de 2 a 2 1/2 horas. Para otimizar, tinhamos que fazer pelo menos dois passeios em um dos dias e acabamos escolhendo o free tour da Zion porque começava um pouco mais cedo e nos daria mais tempo para fazer o tour da tarde. O passeio dá uma boa visão geral da cidade mas esbarramos numa dificuldade que tirou um pouco nossa disposição de seguir o passeio até o fim. O guia tinha um sotaque muito forte e apesar de entendermos bem o inglês tivemos que fazer um certo esforço para entendê-lo. Além disso, encontramos no meio do passeio o grupo que acompanhava a outra empresa e a diferença era gritante. Com isso, decidimos mudar de empresa nos passeios seguintes.

A parte mais antiga de Jerusalém (conhecida como Cidade Antiga, ou Old City) é cercada por um muro e dividida em quatro partes que eles chamam de quarteirões (quarters): Judeu, Armênio, Muçulmano e Cristão.Nesse tour inicial, somos apresentados aos pricipais pontos da Cidade Antiga: o Patriarcado Armênio, o Monte do Templo – onde ficam o Muro das Lamentações e as Mesquitas de Omar e Al-Aqsa – e a Igreja do Santo Sepulcro. Entre um e outro, fomos conhecendo outras construções e aprendemos um pouco sobre a história da cidade.

Jerusalém e seus quarteirões (fonte: Wikitravel)


O quarteirão Armenio é o menor de todos. Em poucos minutos se conhece ele saindo da Torre de Davi, passando pelo Patriarcado Armênio, onde fica a catefral de St. James, indo até o portão de Zion. Olhando para fora do portão de Zion, tivemos a primeira visão do monte das Oliveiras, onde está o cemitério judeu em que se acredita que quem lá está enterrado será julgado primeiro no Juizo Final.

Portão de Zion (Zion's Gate)

Monte das Oliveiras e o cemitério judeu


Chegando ao quarteirão Judeu, vimos o Cardo. São ruinas de uma avenida construída pelos romanos que era ladeada por colunas e cortava a cidade de norte a sul. Mais adiante, a Sinagoga Hurva (ruína, em hebraico) é uma das mais importantes para os judeus, tendo sido destruída por duas vezes. Sua útima reconstruição recupera sua arquitetura do período Otomano e ironicamente lembra muito uma mesquita.

Ruínas do Cardo

Painel com reconstituição do Cardo

Sinagoga Hurva


Enfim, avistamos o monte do Templo (Temple Mount) área sagrada para árabes e judeus pois lá estão o Muro das Lamentações e as Mesquitas de Omar (Domo da Rocha, ou Dome of the Rock) e Al-Aqsa.Ele é uma área a parte e não está dentro de nenhum dos quarteirões. O acesso a essa área é super controlado, com detectores de metal e raio x para bolsas, como numa entrada de aeroporto. Ali, mulheres devem permanecer com os ombros cobertos e alguns xales improvisados sao oferecidos gratuitamente.

Monte do Templo (Temple Mount


Saindo dali, entramos no quarteirão muçulmano e a paisagem mudou radicalmente. É o de maior densidade populacional com ruas estreitas cheias de lojas e vendedores oferecendo produtos pra você e que não deixam dúvidas a respeito da vocação comercial do povo árabe. De modo geral, é fácil se perder dentro da Cidade Antiga, especialmente nas ruelas do quarteirão muçulmano. Imprescindível ir com mapa e muito aconselhável ir acompanhado.

Nessa parte, percorremos a Via Dolorosa, que é a Via Crucis percorrida por Jesus desde a sua condenação por Pilatos até sua crucificação e sepultamento. Tem início na entrada da cidade próxima ao portão Lion no quarteirão muçulmano e termina na Igreja do Santo Sepulcro no quarteirão cristão.


Um dos locais onde Cristo se apoiou

A Via Dolorosa que vemos hoje em dia não é mais a que originalmente Jesus percorreu. Mesmo assim, carrega uma forte energia e não tem como não se tocar com as demonstrações de fé em cada ponto importante da Via, como os locais onde Jesus fraquejou e caiu por estar muito cansado. São 14 no total, todos sinalizados, mas nem sempre muito visíveis, e simbolizam os momentos mais importantes ou dramáticos deste percurso.

Onde Veronica limpou o rosto de Cristo



Local da terceira queda de Jesus


No post sobre o Holy City tour entraremos em mais detalhes sobre os principais pontos religiosos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário