quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Vale do Loire - Como chegar, onde ficar, o que ver, onde comer - Parte I

A região do Vale do Loire desde 2000 configura a lista da UNESCO de patrimônio cultural da humanidade, sendo conhecido como o berço da língua francesa e jardim da França. Engraçado esta descrição, pois para mim era conhecido como o lugar dos castelos...rs


Ok, é o lugar dos castelos, mas é muito mais o jardim da França. Afinal, castelo por castelo, concordo com a Lina do CP - como o Louvre não há. E sinceramente, são tantos na região do Loire que fica mais do mesmo.
Estou dizendo com isso que estando em Paris não vale a esticadinha?!? Jamais...

O que quero dizer é que pra mim a região é muito mais do que visitas a castelos. A paisagem do caminho é estonteante, as cidadezinhas medievais um charme, os restaurantes deliciosos, os vinhos enebriantes, a história contagiante, e os castelos.... interessantes.
Por esse meu ponto de vista, torna-se desinteressante aquele bate e volta de ônibus com visitas a castelos, pois perde-se o melhor da região - o resto, fora castelos.
Vou relatar o que fizemos que me deixou completamente fascinada pelo lugar.

Alugamos um carro em Paris bem cedo, já tinha comprado o GPS, e rumamos para a região. Ficamos dois dias e duas noites por lá e foi mais do que suficiente. Gastamos de gasolina 70 euros e devolvemos o carro no aeroporto, de onde embarcamos para Londres. Com isso, economizamos o táxi para o aeroporto, que ia sair quase o que gastamos de combustível para toda a viagem. Totalizando os gastos para o casal:


Aluguel do carro (3 diárias)  -  145 euros
Hospedagem no castelo (2 noites) - 230 euros
Combustível - 70 euros
Pedágio - 40 euros
Entrada nas atrações - 33 euros

Total: 259 euros por pessoa para dois dias. Vi a empresa que faz a excursão de um dia e o preço é de 216 euros por pessoa. Ou seja, acho que não vale muito pois o preço é quase o mesmo e vc aproveita muito pouco. Além disso, ainda economizamos o táxi para o aeroporto, o que faz ficar o mesmo preço da excursão.

Nosso roteiro começou por Orleans, cidade conhecida pelo feito de Joanna D´Arc. A cidade dista cerca de 1h e meia de Paris e é super agradável, com suas construções medievais e ruelas vazias. As mais características são a Rue Royale e a Rue de Bourgogne.
Ar medieval transbordando romantismo
As principais atrações são a Cathédrale Sainte-Croix, a Place du Châtelet com seu ar renascentista e suas lojinhas, a Place du Martroi que tem a estátua de Joanna D`Arc e de onde pode-se alugar bicicletas para percorrer a cidade e a Casa de Joanna.

Place du Martroi 

Cathédrale Sainte-Croix

Place du Châtelet




Só a título de curiosidade, Joanna não nasceu e nem viveu em Orléans. Ela se tornou famosa durante a guerra dos cem anos, quando a Inglaterra praticamente dizimava a França (1337-1453) a fim de tomar o trono Francês e controlar a  região de Flandres, rica na produção de tecidos.


Em 1429, a libertação de Órleans vira o vento favor dos franceses. Joanna DÁrc, muito religiosa, dizia ouvir vozes desde os 12 anos que a instruíam a sair de sua vila, na região de Champagne e vai até a corte, convencer o rei Carlos VII (meio encostadão e inseguro) a  deixá-la liderar o seu exército e tomar a praça de Orleans. 

Chegando a Orleans Joana foi conduzida à residência de Jacques Boucher, tesoureiro duque de Orleans, onde atualmente situa-se a casa de Joanna em Orleans, que conta a sua história.
Casa de Joanna D´Arc

Depois de sua vitória em Orleans, a mesma levou o rei até a catedral de Reims para que ele fosse coroado.

A liderança e carisma, junto à vitória inflamou o sentimento nacionalista francês o que propiciou, alguns anos depois, importantes ofensivas francesas, derrotando os ingleses em Formigny e Castillon (1453), quando foi conquistada a cidade de Bordeaux, finalizando a guerra.

Na primavera de 1430, Joanna tenta libertar a cidade de Compiègne, dominada pelos borgonheses, aliados dos ingleses. É presa e entregue aos ingleses. Na intenção de abafar o nacionalismo francês eles a processam por bruxaria e heresia, para que caia em descrença. É condenada em Rouen,onde é queimada viva em 30 de maio de 1431, aos 19 anos.

Dicas: Não é muito difícil achar vaga na cidade, mas deve-se pagar numa máquina eletrônica o tempo estimado e colocar o ticket no parabrisa. Eles multam mesmo!!!
Vimos 2 carros multados onde estacionamos, próximo à Praça dur Matroi. De lá faz-se tudo a pé, ou de bicicleta ou de metrô de superfície.
Os restaurantes fecham as 14h para o almoço, então não perca a hora. Perdemos e não almoçamos..rs
Tínhamso reserva para o La Terrasse du Parc, feita pelo thefork.com, mas acabamos perdendo a hora.
É surreal numa cidade medieval e pequena ter um shopping com.. Gallerie Laffayette!!! Mas lá tem..rs





2 comentários:

  1. Paris é uma cidade para pessoas apaixonadas!
    Tive a oportunidade de ir a Buenos Aires e acho que as cidades são muito parecidas.
    Os apartamentos em Buenos Aires eram melhores, mas foi uma experiência incrível!

    ResponderExcluir
  2. Oi Matilda,
    Bom te ver por aqui, seja bem vinda. Qual foi sua experiência de aluguel em BAs? As pessoas sempre perguntam isso.
    Bjos

    ResponderExcluir